Conheça Thayanna Cunha

Estamos a menos de 50 dias para o JPN e para aquecer nossas expectativas, nada melhor do que conversar com quem está por dentro de tudo do evento, não é mesmo? Entrevistamos Thayanna Cunha, membro da diretoria do Jovens Para as Nações desde a primeira edição, em 2008. Thayanna tem sido um referencial em nosso meio no que diz respeito ao amor ao Senhor e dedicação ao serviço. Acompanhe a entrevista:

 

Enquanto membro da diretoria, como tem sido esse tempo no JPN pra você?

Pra mim o JPN é como um filho! Eu estou desde o primeiro JPN, na primeira formação da diretoria, então eu lembro que o primeiro JPN a gente fez no culto dos jovens, aos sábados, como um culto especial: o “jovens para as nações”. Lembro que a gente fez inscrição, um crachá bem lindinho e eu estava de japonesa. Ali foi o nosso início. Nunca eu poderia imaginar que a gente chegaria a algo tão grande.

Eu sabia que o Senhor tinha algo ali, mas foi muito além do que eu podia pensar com a minha mente. Hoje, 10 anos depois, fazer parte de um evento que traz mais de 3 mil jovens de todo país, que se movem, que geram dentro deles, que trabalham para estar aqui, é uma honra mas também tem o peso da responsabilidade, por saber que existem 3 mil pessoas que estão sendo influenciadas, direta ou indiretamente pelo seu trabalho.

É algo que é prazeroso, honroso, maravilhoso e extraordinário! Saber que aquilo que a gente faz, contribui para que Deus trabalhe. Abre as portas, abre corações, traz pessoas para um lugar onde tem um ambiente propício, para que Deus possa talvez mudar o destino daquela pessoa, trazendo promessas, projetos, sonhos e tantas outras coisas.

Você consegue lembrar de uma experiência marcante? Se sim, conta como foi.

Todo JPN tem os especiais, sempre voltado para uma temática missionária e eles sempre são marcantes! Um dos anos que eu mais fui alcançada pelo Senhor e me comovi bastante, foi no especial de 2016, que retratava a crise dos refugiados em que um menino sírio foi encontrado morto na areia. A gente reproduziu aquela cena e depois levantamos um clamor por aquele povo, na época da campanha #EuSouSofia, que o JPN também aderiu e foi muito marcante.

 

Outro momento que posso citar é o especial do ano anterior, da igreja perseguida. Foi muito forte, porque trouxe uma realidade que às vezes não estamos atentos. Por mais que a gente saiba e veja as notícias de pessoas que foram mortas por serem cristãs, como não é nosso contexto, a gente não consegue sentir de fato. Então quando a gente faz um especial, trazendo a realidade de uma nação ou uma situação, a gente entra nisso. O especial faz com que cada um que está lá entre naquela atmosfera e veja uma simulação daquilo que realmente acontece e é muito pior. Para mim o que sempre me impacta e me traz uma consciência maior de que podemos ser melhores, são os nossos especiais.

Quais suas expectativas para este ano?

As minhas expectativas sempre são ótimas, esse ano não é diferente! A gente está com um time muito bom de preletores, começando por Klycia. Ela é psicóloga, uma mulher de Deus, muito sensível às questões do ser humano e às limitações, mas sem perder o peso da palavra, a profundidade e a motivação, de dizer “você consegue, você é capaz, você é muito bom”.

A gente tem Pr. Léo, que eu sempre falo que é fruto do JPN! Ele estava sentado um dia ali e Deus falou com ele e com Cris sobre a Argentina e eles voltaram para a igreja deles, falaram com o pastor e hoje estão no lugar onde Deus falou! E Pr. Augusto, que o pastor do Verbo da Vida de Madrid. Tenho muita expectativa para conhecê-lo! Ele é maravilhoso, eu o acompanho nas redes sociais. Eu sei que o centro de tudo é o Senhor, mas as pessoas tem personalidades diferentes, unções diferentes sobre suas vidas e um jeito de falar singular, que potencializa as coisas de Deus, a unção e a palavra. Eu sei que todos nós vamos ser profundamente alcançados!

E pra finalizar, deixa um recado para os jovens e adolescentes.

Você que vai estar no JPN, cria expectativa mesmo! Às vezes a gente fala muito isso e parece que virou jargão, mas é verdade para nós. Quando criamos expectativa sobre o que o Senhor pode fazer, Ele sempre vai superar. Se a gente achar que é só mais um JPN, vai ser isso e vamos sair da mesma forma. Mas quando você acredita que vai haver algo diferente, vai ser um divisor de águas, onde você vai receber direções para o futuro, Deus vai tratar o que precisa ser melhorado ou mudado, aí sim Deus irá encontrar uma terra preparada para colocar a semente incorruptível da palavra. Se motiva para estar esses dias conosco!

Você que ainda tem dúvida se vai participar ou não, deixa de bobeira e vamos lá, faz tua inscrição, se envolve nisso, não fica de fora! Estamos percebendo que existe um avivamento que está sendo construído e o JPN faz parte disso! Essa reunião de jovens faz parte desse avivamento, e se você quer estar no meio dessa onda, você tem que estar perto de quem está avivado!

Você que é de fora, talvez possa ler essa entrevista, também se motiva! Acredita que o Senhor pode te fazer chegar aqui. Seja alguém ofertando para você ou Ele te dando condição para pagar, os meios de Deus não importam, o que é importa é que estejamos firmes, crendo que as coisas vão acontecer! Você que está desejoso de estar em Campina Grande, que tem colocado isso em suas orações, o Senhor vai te ajudar a chegar aqui e você vai estar conosco celebrando junto!

 

Gostou da entrevista? Então se prepara e acompanha nosso site, pois em breve teremos outras por aqui!

Deixe uma resposta